Poema | Febre invisivel

arvoreEstas alucinado

De olhos fechados e a boca aberta

De ouvidos cerrados

De mente rematada

Posto e ereto, ignora os fatos

Absorvem os mitos

Talvez por mentalidade

Talvez por puro egoísmo

Talvez por precisão

Certeza do que procura não existe

Certeza do que tem não importa

Certeza do sentimento fraco e inútil

Está certo sobre isso

Tomando como virilidade a mentira

De verdade o fato do qual esteve

Agonizando a verdade

Na inocência que precisa

Apoio que nega

No inconsciente deseja

Estar certo

Acha o que procura

Mas não sabem

De seus pais vem assim

Não ouse, dizem, Seja adaptado

O que te rodeia é heresia

Por não querer apenas

Por não ouvir apenas

Por fala o que não devia

Esta ocupado

O que lhe mostram esta calado

A mente esta viva

Anúncios