Conto – Conheço meu Assassino – Capítulo II

aaaaaII

— Olá Olá. Acabaram de ouvir “Go Your Own Way” de Fleetwood Mac e a partir de agora, comigo, nas noticias da cidade e região. Sem mais rodeios estamos de volta com a historia de reencarnação que movimentou a cidade. Vamos a ele: Poderia nós cotar um pouco da historia? — Perguntou ao menino.

— Eu, nada podia salvá-lo. Tinha 35 anos e vendia automóveis e ai foi matado tem oito anos.  — O garoto puxou a gola da camisa se escondendo atrás dela com os cotovelos sobre a mesa.

— E quem era “ele” ? — Perguntou o radialista Fábio sorrindo á entoar o garoto.

— Eu mesmo, foi em 2007. — Disse André trocando olhares rápidos com Fábio e Rony, e admiradamente assustado com a quantidade de botões que havia ali.

— Você poderia nós contar como isso aconteceu? — Fábio olhou para Rony enquanto testava o limite da entrevista para como o menino. Aquilo lhe renderia assunto o semestre todo.

— Estava deixando o trabalho, caso que ia embora, aí foi morto com um bando de tiros por um homem grande cheio de tatuagem. Fui furado aqui e aqui. — André apontava duas marcas no rosto.

— No seu rosto? — Perguntou Fábio para tornando visual ao publico.

— Sim.

— Continue.

— Ai ele colocou o corpo no porta-malas e jogou no lixo. Tinha outro homem com ele, no carro. — O menino deu indícios de choro, aquela imagem de alguma forma ia tomando forma em sua mente e ele não gostara do que via.

— Já deu, não?! — Disse Rony fora do microfone. Mas Fábio não achara isso e murmurou para ele “E as perguntas?”. Rony não deu ouvido e retirou seu filho do local.

— Então é isso, galera. Não nos sentimos bem em continuar com perguntas, o garoto parecia muito abalado. Fiquem com o intervalo e já voltamos com mais noticias. — Contou Fábio para a multidão que o ouvia, ainda insatisfeito com os resultados da entrevista.

— Poderia espremer muito mais caldo daquela historia. — Ele deixou a sala de transmissão e se juntou a Rony e André na sala ao lado.

— Este bom pra você? — Perguntou Rony sem mais paciência.

— Sim, mas poderíamos ter ido mais além. — Fábio também não estava muito satisfeito mais conseguiu o suficiente.


——  Marcos G Plymouth

Leia o Capítulo III

Anúncios

Um comentário sobre “Conto – Conheço meu Assassino – Capítulo II

  1. Pingback: Conto – Conheço meu Assassino – Capítulo I | Portal Escrevendo

Os comentários estão desativados.